Etiquetas

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA (Three Billboards Outside Ebbing, Missouri) de Martin McDonagh

A História: Mildred, uma mulher cuja filha foi assassinada e violada, aluga três grandes cartazes, onde acusa a polícia de nada fazer para resolver o crime, causando mau estar na pequena cidade onde vive.

O Filme: Uau, que filmão! Nos seus filmes anteriores, IN BRUGES e SEVEN PSYCHOPATHS, o realizador/argumentista Martin McDonagh já tinha demonstrado o seu grande talento e que era um nome a ter em conta, com este novo filme excedeu-se a si próprio e o resultado é magnífico!
Um argumento brilhante, com diálogos de antologia, uma galeria de personagens inesquecíveis, um equilíbrio perfeito entre drama, tensão, violência e humor negro, este é, sem sombra de dúvida, um dos maiores filmes deste ano que agora começa.
Quanto ao elenco, a palavra perfeito não lhe faz jus. A fabulosa Frances McDormand dá-nos a interpretação da sua vida e todos sabemos o quão talentosa esta grande actriz é. É impossível não estarmos do seu lado e como gostaríamos de ser capazes de dizer as coisas que ela diz. McDormand merece o Óscar e todos os outros prémios do ano! O mesmo posso dizer de Sam Rockwell, que no papel de Dixon é deliciosamente patético, mesmo estúpido, e assustadoramente violento (a sua inesquecível mamã, Sandy Martin, ensinou-o bem). Woody Harrelson também está no seu melhor como o chefe da polícia que tem um cancro.
Este é um daqueles filmes que recomendo a todos aqueles que gostam de cinema com C grande! Acredito que se torne rapidamente num novo clássico!

Classificação: 9 (de 1 a 10)



A HORA MAIS NEGRA (Darkest Hour) de Joe Wright

A História: Com a França e a Bélgica a cair nas mãos dos nazis e com as tropas inglesas encurraladas nas areias de Dunkirk, cabe ao novo primeiro ministro inglês, Winston Churchill, a decisão de se render ou não a Hitler e a Mussolini.

O Filme: Para mim este é o melhor filme do realizador Joe Wright. Ele dá-nos uma fabulosa lição de história contada com emoção, drama, suspense e humor. A reconstituição de época é, como seria de esperar, excelente, a direção dos actores extraordinária e o argumento, baseado em factos verídicos, muito bem escrito por Anthony McCarten. Quanto ao trabalho de maquilhagem, é simplesmente fantástico.
O filme tem três cenas notáveis: a forma poética como termina uma explosão sobre uma companhia de soldados ingleses, uma deliciosa visita do Rei de Inglaterra ao quarto de Churchill e a emotiva viagem de Churchill no metro, que me levou às lágrimas.
O que dizer da interpretação de Gary Oldman? Este actor é um verdadeiro camaleão e dá-nos aqui uma interpretação magnífica e merece ganhar tudo o que é prémio. O seu Churchill é humano, bem-disposto, apaixonado, bem-falante, explosivo... enfim, maior que a vida! A seu lado, apesar de não ter muito “tempo de antena”, Kristin Scott Thomas é uma lufada de ar fresclo como a esposa de Churchill. Ben Mendelsohn uma simpática presença como o Rei de Inglaterra e Stephen Dillane é excelente como o irritante adversário de Churchill.
É já um dos filmes do ano e aconselho a não o perderem!

Classificação: 9 (de 1 a 10)




domingo, 14 de janeiro de 2018

OS MEUS 12 FILMES PREFERIDOS DE 2017

No circuito comercial de cinemas em Lisboa cidade, estrearam o ano passado 345 filmes de ficção. Como devem calcular, não vi os filmes todos e muitos nem sequer me chamaram a atenção, fiquei-me por 29%, o que não é muito mau. Entre estes, os meus preferidos foram estes 12 filmes, que aqui ficam por ordem de preferência.


Para além desta lista, também podem consultar os PRÉMIOS TOMÉ 2017 (os meus Óscares pessoais), bem como os meus SKULL AWARDS 2017.





PRÉMIOS TOMÉ – CINEMA 2017

Tal como nos últimos anos, aqui vos deixo os meus Óscares pessoais, os PRÉMIOS TOMÉ CINEMA, distribuídos entre as 102 estreias cinematográficas que vi em 2017.

Os filmes mais distinguidos são é IT de Andrés Muschetti, AH-GA-SSI de Chan-wook Park e SUBURBICON de George Clooney com 5 prémios cada, seguidos de MISS SLOANE de John Madden e LA LA LAND de Damien Chazelle com 3 prémios cada, e EN MAN SOM HETTER OVE de Hannes Holm, THE GREATEST SHOWMAN DE Michael Gracey, WAR FOR THE PLANET OF THE APES de Matt Reeves e COCo de Lee Unkrich & Adrian Molina com 2 prémios cada.


Aqui fica a lista, em imagens, dos filmes vencedores. Para além desta lista, também podem consultar a minha lista dos OS MEUS 12 FILMES PREFERIDOS DE 2017 e os meus SKULL AWARDS 2017.